Pompoar é Arte!

Posted on junho 2, 2009 por

18



Muitos lugares oferecem cursos de pompoarismo, dizem que você o aprenderá em dias, até em horas! Porém, esquecem que pompoar não é só fazer alguns exercícios de malhação íntima, para isso existem os Exercícios de Kegel, isso ajuda, é o início, mas o pompoar vai muito além disso e vem com muito treino, como em toda arte, e só aí, quando você dominar o pompoar através do pompoarismo, poderá receber o título de Pp – pompoarista.

A arte milenar, que significa “sugar/segurar o pênis” permite que a mulher domine os movimentos circuvaginais durante o ato sexual, aprenda as contrações involuntárias do orgasmo, estimulando-se assim, e permitindo controlar até mesmo a ejaculação do parceiro.
Os exercícios para fortalecer a musculatura ajudam as mulheres em relação a problemas como incotinência urinária, afrouxamento muscular(flacidez pós-parto) e prolapso genital (queda da bexiga e útero), em alguns casos chegam a evitar as cirurgias. Além disso, melhora a relação sexual, porque promove o conhecimento do corpo (o que afugenta algumas mulheres ainda hoje), estimula a auto-estima e cumplicidade do casal, o que ajuda as mulheres a sentirem mais prazer e até chegarem ao orgasmo, porém não resolvem – ajudam, mas não resolvem – problemas como anorgasmia (não há orgasmo) e vaginismo (contração muscular vaginal que impede a penetração), para estes, a pessoa deve procurar um especialista (sexólogo, psicólogo) e fugir de quem prometer resolver o problema com aulas de pompoarismo apenas.

A História do Pompoar no Mundo

Pompoar no Brasil
No Brasil a ‘técnica’ só chegou por volta de meados da década de 70, antes era até ‘conhecido’ mas era ligado a pornografia (o que ainda ocorre hoje em dia neste país), e foi através de um homem que se intitulava Velho Mestre e ensinava a arte na prática, “marcava em motéis as aulas sobre exercícios e manipulação dos objetos e só haveria sexo se a parceira quisesse” (certamente todas), isso até sua esposa e filha descobrirem e o obrigarem a parar. Daí, foi um pulo para os consultórios médicos, exceto a parte prática, mas tenho minhas dúvidas…
Hoje, não há mais aulas práticas, somente teóricas com demonstrações em vídeo de como fazer os exercícios e executar os movimentos do pompoar, e alguns divulgam que a mulher já sairá uma pompoarista em horas, dias, ou no máximo três meses. É possível que saiam com a musculatura trabalhada e com conhecimento de alguns movimentos, mas Pps não, para isso são necessários treinos práticos, isso mesmo, treinos com homens, sorte dos que se disponibilizam para os treinos – isso existe, alguns dão aula inclusive, devem ser seguidores do Velho Mestre, não creio que ele tenha se aposentado mesmo com sua esposa e filha exigindo.

Ainda no Brasil, em 1998, o vocábulo Pompoar entrou no dicionário brasileiro Micheallis com a seguinte definição “palavra originária do Sul da Índia, no idioma local se escreve ‘pâm-pohur’ . A palavra designa o controle mental da mulher sobre sua musculatura circunvaginal de forma consicente”, o que está correto.
Curiosidade – O escritor Jorge Amado elogia as pompoaristas em seu livro “A Descoberta da América pelos Turcos”.

Pompoar no Ocidente
Na década de 50, o médico norte-americano, urologista e ginecologista, Drº Arnold Kegel, descobriu que mulheres (prostitutas tailandesas e gueixas japonesas) que faziam exercícios que fortaleciam a musculatura pélvica tinham menos problemas urinários e de queda da bexiga e útero, então passou a recomendar às pacientes um exercício adaptado que consistia em contrair e relaxar a musculatura vaginal 500 vezes ao dia (o que descobriram ser exagero depois), e certo tempo após as indicações, essas pacientes lhe disseram que até mesmo suas vidas sexuais tinham melhorado, passando então, o doutor, a indicar as atividades para suas pacientes que tinham problemas sexuais também.
Devido ao sucesso desses exercícios ele ficaram conhecidos como “Exercícios de Kegel”, e que tornou introduziu o pompoarismo no Ocidente.
Na Europa não existem dados específicos sobre o surgimento do tema, mas acredita-se que por lá o Pompoar também fez sucesso desde algum tempo, principalmente na França, que recebe a grafia pompoir e que foi ‘aportuguesada’ como pompoar.

Pompoar no Oriente
Sua origem é oriental, acreditam que exista há mais de 1500 anos, pois o livro que trata das ‘Lições de Amor’, o Kama Sutra, já teorizava sobre essa arte, pondo-a acima de todas as outras, e era praticada por “profissionais do amor”, primeiramente pelas indianas que tinham no sexo algo sagrado e sublime, depois chinesas e japonesas (gueixas), mais tarde as tailandesas que “aprimoraram” com seus próprios colares, o que fez surgir as ‘bolinhas tailandesas’ que são as ben-wa.
Acredita-se que a técnica era passada de mãe para filha, quando esta ainda era pequena e, inicalmente, o objetivo era proporcionar prazer somente ao homem.

Outras Informações
Alguns movimentos que o pompoarismo permite segundo a pompoarista Stella Alves em sua entrevista no GAS-BH
Revirginar: é contrair com tanta força o esfíncter vaginal, que é o músculo de entrada da vagina, o que impede ou dificulta muito a penetração do pênis/vibrador, possibilitando simular virgindade.
Ordenhar: é contrair individualmente os anéis circunvaginais de forma sequêncial, pressionando o pênis/vibrador, começando da entrada da vagina em direção ao útero, com força média.
Chupitar: é imitar com a vagina a movimentação que os bebês fazem com a boca quando estão mamando ou usando a chupeta.
Sugar: é chupar o pênis/vibrador com a vagina.
Massagear: o pênis/vibrador é massageado nas intensidades fraca, média ou forte.
Morder: é a pratica utilizada freqüentemente para retardar o orgasmo do homem. Consiste em contrair fortemente o anel circunvaginal que circunda o pescocinho logo abaixo da glande do pênis.
Guilhotina: é uma “mordida” com muita força.
Algemar ou agarrar: é contrair com tal força a musculatura vaginal, impedindo a saída do pênis/vibrador.
Expulsar: é quando a vagina expele o pênis, vibrador, banana, pepino, etc.

Exercícios de Kegel para você tentar.
Segundo especialistas, o ideal é praticar estes cinco movimentos diariamente, pela manhã e à noite. Procure fazer pelo menos três séries de quinze ou vinte repetições para cada uma delas.

1. Sente-se em uma cadeira e apóie as mãos nas coxas. Deixe os pés paralelos e distantes 20 centímetros um do outro. Contraia os músculos da vagina como se apertasse algo dentro dela. Conte até três e relaxe. Aumente a contagem gradativamente até chegar a dez.
Variação: contraia e relaxe os músculos rapidamente. Para acertar o ritmo, imagine que acompanha uma respiração.
2. Recoste-se na cama e deixe as pernas separadas e semi-flexionadas. Insira um dos dedos na vagina e tente apertá-lo o mais que puder. Caso não sinta nenhuma pressão insira dois dedos. Volte a se exercitar com um dedo quando a musculatura estiver mais treinada.
Variação: tente sugar o dedo com a vagina. Conte até três antes de relaxar.
3. Deite-se num colchonete e deixe os braços ao longo do corpo. Flexione as pernas. Essa é a posição inicial. Eleve o quadril e o dorso e fique apoiada sobre os ombros e os pés. Ao elevar o quadril, contraia os glúteos. Volte a posição inicial e relaxe os glúteos.
Variação: Na posição inicial, contraia o ânus em três tempos, sem relaxar: primeiro levemente. Em seguida mais forte e depois com toda a intensidade que conseguir. Fique assim e contraia a vagina como se sugasse alguma coisa com ela. Conte até três e solte os músculos devagar: Primeiro os da vagina, depois os do ânus.
4. De pé com as pernas semi-flexionadas, coloque as mãos na cintura e deixe os pés paralelos e distantes 20 ou 30 centímetros um do outro. Mova a pélvis para cima e para frente. Ao fazer isso, contraia a parte interna da vagina. Segure, conte até três e relaxe.
Variação: Faça um movimento contínuo e circular, como se usasse um bambolê, só que em quatro tempos:
1-Mova a pélvis para cima e para frente;
2- Leve o quadril para a esquerda;
3- Jogue o bumbum para trás;
4- Leve o quadril para direita.

Objetos para incrementar/melhorar os exercícios.

pompoar

Anúncios
Posted in: Sexologia